terça-feira, 15 de setembro de 2009

Um tanto nostálgica...


Hoje fui arrumar uma estante onde guardo CDs, livros, fotos, cadernos, agendas... Onde guardo um pouco da minha vida... Fiquei um tanto nostálgica ao pegar alguns CDs e escutar certas músicas que imediatamente me remeteram à lugares nunca mais vistos por mim, pessoas queridas que ficaram perdidas na memória... Li algumas páginas de agendas do tempo da adolescência. Cheia de amores mal resolvidos, amores não correspondidos, romances mal escritos - mas que até poderiam ter dado certo, festas e mais festas... Chorei ao ver fotos de amigos que o tempo e a distância fizeram com que nos separássemos...

Enfim, a vida é assim, cheia de encontros e desencontros, amores & romances, músicas que marcam momentos mas que nunca mais são ouvidas, à não ser que você abra o seu baú!



" Eu tenho saudades de tudo que marcou a minha vida

Quando vejo retratos, quando sinto cheiro

Quando escuto uma voz, quando me lembro do passado

Eu sinto saudades... Sinto saudades de amigos que nunca mais vi

De pessoas com quem não mais falei ou cruzei...

Sinto saudades da minha infância.

Sinto saudades do presente, que não aproveitei de todo,

Lembrando do passado e apostando no futuro...

Sinto saudades do futuro, que se idealizado,

Provavelmente não será do jeito que eu penso que vai ser...

Sinto saudades de quem me deixou e de quem eu deixei,

De quem disse que viria e nem apareceu;

De quem apareceu correndo, sem tempo de me conhecer direito,

De quem nunca vou ter a oportunidade de conhecer.

Sinto saudades dos que se foram

E de quem não me despedi direito,

Daqueles que não tiveram como me dizer adeus;

De gente que passou na calçada contrária da minha vida

E que só enxerguei de vislumbre;

De coisas que eu tive e de outras que não tive, mas quis muito ter;

De coisas que nem sei como existiram, mas que se soubesse,

De certo gostaria de experimentar;

Quantas vezes tenho vontade de encontrar não sei o que,

Não sei aonde,

Para resgatar alguma coisa que nem sei o que é

E nem onde perdi...

Todas as vezes que sinto este aperto no peito, Meio nostálgico meio gostoso, Mas que funciona melhor do que um sinal vital

Quando se quer falar de vida e de sentimentos.

Ela é a prova inequívoca de que somos sensíveis,

De que amamos muito do que tivemos e lamentamos as coisas boas

Que perdemos ao longo da nossa existência...

Sentir saudade é sinal de que se está vivo! "

.

5 comentários:

Blog do Óbvio disse...

Flávia, que lindo tudo isso que você escreveu. Que sensibilidade a sua. Adorei e acho que o mais importante é: "Sentir saudade é sinal de que se está vivo!"
Um carinhoso e amigo beijinho. Manoel.

_Lady_Dessa_ disse...

olha eu tbm gostei^^
na verdade mtas vezes a gte se limita
a cuidar do que está na nossa frente
e esquece como tudo aconteceu
e como aconteceu...
adorei msm
^^
bjis

Ana disse...

Também guardo tudo!
Diários, agendas, convites, anotações, fotos...
Às vezes penso em jogar tudo fora, mas e a coragem?
Acho que estas coisas são a materialização das nossas saudades, sim! Que bom que temos tanto o que relembrar!
Belo post!

Lúcia Soares disse...

Oi, Flávia. Sempre leio aqui e não me lembro se já comentei. Adorei seu post!

Beth/Lilás disse...

Oi, Flávia!
Acho que todos nós sempre tem um dia assim na vida e, mesmo jogando muita coisa fora, sempre ficamos com as coisinhas que nos fazem lembrar um tempo bom ou ruim.
É como você mesma disse, faz-nos sentir que vivemos e que tudo foi verdade.
um beijo grande carioca