sábado, 25 de outubro de 2008

Dia de Faxina


Faxina na Alma

(Carlos Drummond de Andrade)


Não importa onde você parou...

em que momento da vida você cansou...

o que importa é que sempre é possível e necessário "Recomeçar".

Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo...

É renovar as esperanças na vida e o mais importante...

Acreditar em você de novo.

Sofreu muito nesse período?

Foi aprendizado...

Chorou muito?

Foi limpeza da alma...

Ficou com raiva das pessoas?

Foi para perdoá-las um dia...

Sentiu-se só por diversas vezes?

É por que fechaste a porta até para os anjos...

Acreditou que tudo estava perdido?

Era o início da tua melhora...

Pois é... Agora é hora de reiniciar...

de pensar na luz...de encontrar prazer nas coisas simples de novo.

Que tal um novo emprego? Uma nova profissão? Um corte de cabelo arrojado... Diferente?

Um novo curso... ou aquele velho desejo de aprender a pintar... desenhar... dominar o computador...ou qualquer outra coisa...

Olha quanto desafio... quanta coisa nova nesse mundão de meu Deus te esperando.

Tá se sentindo sozinho? besteira...tem tanta gente que você afastou com o seu "período de isolamento"... tem tanta gente esperando apenas um sorriso teu para "chegar" perto de você.

Quando nos trancamos na tristeza... nem nós mesmos nos suportamos... ficamos horríveis...o mal humor vai comendo nosso fígado... até a boca fica amarga. Recomeçar... hoje é um bom dia para começar novos desafios.


* - * - * - * - * - * - * - * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -


Ontem resolvi fazer uma faxina nas minhas coisas, coloquei tanta "porcaria" fora, outras faltou coragem... Enquanto mexia em fotos do passado, roupas que nunca usei e teimo em guardar, livros empoeirados que nunca abri... pensava no futuro, na vida, ao som de "Vitor & Leo"... Meu Deus, to precisando acreditar mais em mim, colocar fé no que faço, confiar no meu “taco”! Acho que tá na hora de chutar o balde e recomeçar, parei no tempo! E esse poema do Drummond diz tudo, perfeito!
O sofrimento faz parte da vida, temos que aprender a conviver com o que nos é predestinado, uma hora passa, mas tem coisas que só eu sei o quanto sofri... A raiva que ando sentindo me maltrata, não faz bem pra ninguém, nem pra quem sente nem pra quem é odiado, mas não consigo não detestar certas pessoas, não consigo apagar as mágoas que outras têm me deixado... Ta na hora de “recolocar” em prática um pouco do que aprendi na Seicho-no-Ie, sobre perdão... Por mais dificil que seja, preciso perdoar!

O corte de cabelo vai ficar pra próxima, mas o curso não falta vontade! Comecei tantos e acabei um que outro, inclusive uma faculdade deixei pelo caminho, o que é a minha grande frustração, mas um dia eu volto...
Espero que junto com as coisas que coloquei fora - agendas de adolescente, objetos quebrados, sapatos apertados - tenham ido embora também sentimentos de dor, tristezas, lágrimas, angústias, rancores, frustrações e medos... E sobre espaço para novas conquistas, realizações, felicidades e sorrisos...
Só não quero um novo amor, uma nova paixão... O “meu Amor” me basta, me realiza, me completa e acima de tudo, me ama!


p.S.: Amor, pq tu tem sempre razão???

3 comentários:

Karen disse...

Sabe quando você compra uma roupa que cai bem? E você usa ela sempre, se sentindo mais bonita? Só que o tempo vai passando, os lugares que você frequenta vão mudando, seu corpo vai mudando… E a roupinha que você achou tão jóia, e que você gostava tanto, começa a ficar esquisita. É o sinal: hora de roupa nova.
Assim é nossa vida nos despedimos do velho para a chegada do novo.
Precisamos nos adaptar as mudanças as chegadas e partidas. Muitas vezes sentimos aquele friozinho na barriga, mas é preciso abrir espaço.
Adorei teu texto do dia da faxina e te digo que a grande maioria das pessoas se sentiria bem melhor se fizessem do dia da faxina uma terapia.
Renascer sempre...
Parabéns pelo blog!!!!
Os textos estão Mara!!!!!
Bjinhu.

Renata Lopes Costa disse...

A D O R E I!!!!
Sabe que é muito bem ler coisas assim e também fazer isso que fizeste, eu sou do tipo que não gosto de guardar "quinquilharias", aprendi uma vez que se tem que jogar as coisas velhas fora, para então, dar lugar as novas! Quando faço essas faxinas, sinto como se estivesse me livrando de um monte de coisas ruins de mim e me sinto tão melhor!

E quanto a perdoar, isso eu aprendi! Já me decepcionei tanto uma vez, que o que me resta é no fundo ter compaixão de uma pessoa que destila somente coisas ruins pra gente!

Bem que tu faz, te livra das velharias e tudo fica diferente aos nossos olhos! Ganham um colorido maior! E deixa essa próxima de lado e confia sim no teu "taco"!!
Bjos...

Ana disse...

Oh, céus!
Preciso aprender a jogar fora as coisas que não uso mais!
Vou guardando...